Header Ads

“Por muitos anos, vimos os jornalistas brasileiros lidarem com várias questões relativas à insegurança, que vão desde grupos criminosos que tentam silenciá-los até empresários e autoridades públicas corruptas que discordam com aquilo que eles reportam”

- Hannah Storm, diretora do International News Safety Institute (INSI)

Impostômetro: piauiense já pagou R$ 1,14 bilhão em impostos em 2013

O piauiense pagou R$ 1,14 bilhão em impostos até esta quinta-feira (21). O dinheiro seria suficiente para comprar mais de 570 mil TVs de Led. Os dados são do site impostômetro, mantido pela Associação Comercial De São Paulo, que apura em tempo real os tributos arrecadados no Brasil, pela União, Estados e Municípios.
Segundo a ferramenta, são mais de R$ 241 milhões por mês, R$ 7,98 milhões por dia e R$ 354 para cada um dos 3.140.213 habitantes do estado pagos em impostos.
Apesar do número, o piauiense ainda terá que trabalhar até o dia 30 de maio somente para pagar impostos, taxas e contribuições aos cofres públicos. Ou seja, considerando toda a carga tributária incidente sobre a renda bruta anual, o contribuinte irá trabalhar até o próximo dia 30 só para pagar tributos, afirma estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).
O peso dos impostos dificulta o desenvolvimento das empresas e a da própria economia, afirma Valdeci Cavalcante, presidente da Federação do Comércio no Piauí (Fecomércio)."Está ficando inviável ser empresário ou praticar o comércio. Os preços do Brasil são superiores aos do resto do mundo. O litro de combustível comercializado ao preço de R$ 2,80, paga R$ 1,20 em impostos. Isso onera todo o resto da cadeia produtiva. A carga tributária é muito alta e continua aumentando", diz.
Além de cobrar altos impostos, o governo não dá retorno para a população e setor produtivo, diz Cavalcanti. "O Brasil tem praticamente a mesma estrutura de 40 anos atrás, os mesmo portos e aeroportos, mas a produção aumentou 80%. Não temos estrutura. Existe um imposto específico para a conservações das estradas, mas cadê a qualidade das rodovias. Os produtores do nosso cerrado vivem um drama para poder escoar sua produção de grãos", relata.
Ezequias Costa, presidente da Associação Industrial do Piauí (AIP), concorda com Valdecy quanto à falta de retorno dada pelos governos. "Normalmente, quem não acha que o Brasil tem muito simpostos, diz que existem países com carga tributária ainda maior do que a nossa. Isso é verdade, mas eles oferecem uma contrapartida de serviços públicos formidável: saúde, educação e previdência de qualidade. Não é o caso do Brasil", opina.

Nenhum comentário

Comente mas não aumente

Todos os direitos autorais reservados a Ricardo Valle. Tecnologia do Blogger.